Quarta-feira , Setembro 30 2020
Home / Inteligência artificial / Reconhecimento facial através de software identifica doenças genéticas

Reconhecimento facial através de software identifica doenças genéticas

Um geneticista faz o upload de uma foto do rosto de um paciente e o Face2Gene (nome do softaware) reúne dados e gera uma lista de possíveis síndromes.

Omar Abdul-Rahman, geneticista clínico do Centro Médico da Universidade do Mississippi (no exterior), vinha trabalhando em um diagnóstico há anos. Um menino, um paciente dele, mostrava características faciais distintas e deficiências intelectuais e de desenvolvimento. Mas isso é comum em muitas doenças genéticas. Abdul-Rahman ordenou exames genéticos para várias condições suspeitas, mas eles eram caros e voltaram negativos.

“Quando ele voltou para o terceiro acompanhamento, comecei a pensar sobre essa outra condição”, diz Abdul-Rahman. “Mas eu não estava pronto para que a família gastasse dinheiro em um terceiro teste sem algum grau de confirmação de que estávamos no caminho certo.”

Então Abdul-Rahman se voltou para uma nova ferramenta no arsenal de um geneticista, um aplicativo baseado em software de reconhecimento facial que ajuda a identificar condições genéticas baseadas em características faciais. O aplicativo sugeriu, com um alto grau de certeza, uma condição que ele havia considerado, e ele ordenou o teste. Confirmou que o menino tinha síndrome de Mowat-Wilson, uma condição caracterizada por convulsões e doenças cardíacas, bem como tamanho da cabeça menor do que o normal. Ter um diagnóstico confirmado poderia ajudar os pais do menino a saber como cuidar dele.

Face2Gene , a ferramenta usada por Abdul-Rahman, foi criada pela startup de Boston, a FDNA . A empresa usa software de reconhecimento facial para auxiliar diagnósticos clínicos de milhares de condições genéticas, como a síndrome de Sotos (gigantismo cerebral), síndrome de Kabuki (um distúrbio complicado que apresenta atraso no desenvolvimento, deficiência intelectual e mais) e síndrome de Down.

“Quando você menciona apenas três ou quatro traços, como olhos empinados, ponte nasal deprimida, ponta nasal erguida ou canto da boca virado para baixo, isso não é realmente descritivo. Isso pode ser comum a muitas doenças diferentes ”, diz Dekel Gelbman, CEO da FDNA. “Como você começa a descrever padrões? Realmente não há como verbalizar isso, você tem que ser capaz de classificá-los como um tipo de aparência. Isso é o que seu cérebro está fazendo.

Síndrome de Down pode não ser um bom exemplo; é relativamente comum e, portanto, bem conhecido. A maioria dos geneticistas não precisa de ajuda para diagnosticar isso. Mas existem mais de 7.000 outras condições genéticas nem sempre tão fáceis. Os fundadores da FDNA, que desenvolveram o software de reconhecimento facial Face.com que o Facebook comprou em 2012, acharam que seria possível usar técnicas semelhantes para adequar as características faciais às condições genéticas.

“Com a curadoria dessas informações fenotípicas dos médicos, conseguimos desenvolver um componente de análise facial muito preciso que é capaz de examinar todos os dados de imagem … e comparar, em segundos, semelhanças globais e detectar os padrões sutis associados a doenças específicas ”, diz Gelbman.

Portanto, vamos ficar de olho em todas as novidades sobre a Inteligência Artificial.

Veja também

Conheça o CIMON, o 1º robô com Inteligência Artificial a voar no espaço

Uma bela amizade entre exploração humana e máquina pode ter apenas começado. Um pequeno robô …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *