Quarta-feira , Setembro 30 2020
Home / Interatividade / Nasa estuda baterias líquidas para aeronaves elétricas

Nasa estuda baterias líquidas para aeronaves elétricas

A ideia por trás da pesquisa é produzir uma nova bateria, contendo baterias recarregáveis, que possam impulsionar uma pequena aeronave desenrolada. Ao contrário dos motores tradicionais, que são abastecidos com gasolina ou querosene, a nova bateria permitiria vôos recarregáveis, mais ecológicos e silenciosos, ao mesmo tempo em que mitigaria os riscos de incêndio associados às baterias de íons de lítio.

A integração de baterias de líquidos com motores elétricos com aro está nos primeiros estágios de desenvolvimento. Embora não tenha havido muito progresso até agora, os pesquisadores da NASA acreditam que a tecnologia tem muito potencial inexplorado.

A pesquisa faz parte do projeto “Aqueous Quick-Charging Battery Integra- tion for Flight Research”, da Aquarel, que visa desenvolver tecnologia de armazenamento de energia não explosiva. O objetivo é combinar este projeto com pesquisas já realizadas pelo Argonne National Laboratory e Illinois Institute of Technology.

A aliança R & D, conhecida como Influit Energy, liderada pelo fundador John Katsoudas, afirma que sua bateria NEF tem uma densidade de energia que é 1,5 vezes maior que as baterias convencionais de lítio-íon, pela metade do custo. Outra vantagem é que ela pode se adaptar a diferentes formas e é capaz de reabastecer rapidamente; significando que eles poderiam, em teoria, ser usados ​​para fins de aviação.

A bateria pode ser recarregada ao bombear novos líquidos para tanques de armazenamento, o que é uma vantagem, pois permite que a bateria seja recarregada de um veículo em vez de um único local conectado à rede.

A bateria funciona bombeando líquidos positivos e negativos através de uma “célula de fluxo” e para uma câmara maior. O fluido é um contém nanopartículas de materiais ativos por bateria, que são suspensos em um fluido à base de água para criar um eletrólito.

Atualmente, esta pesquisa produziu uma bateria que contém aproximadamente 60% de materiais ativos. Isso é mais do que o dobro do conteúdo das baterias tradicionais, que precisam incluir invólucros, separadores e encadernadores, entre outros elementos.

A Nasa pretende produzir uma bateria NEF com uma densidade de corrente de 100mA / cm2 até 2020. Essa densidade permitiria ao sistema gerar energia em torno de 125 Watt-hora por quilo, o que é mais do que o tradicional íon de lítio.

Muito desenvolvimento deve ser feito para completar esta tecnologia. De acordo com o engenheiro elétrico da NASA, Kurt Papathakis, em 2018, o projeto só foi capaz de criar um protótipo de célula de fluxo NEF capaz de produzir apenas alguns mA por centímetro quadrado.

A bateria tem o potencial de eliminar as emissões de carbono das viagens aéreas. Em teoria, as baterias de fluido poderiam ser recarregadas usando energia solar ou eólica, reduzindo drasticamente a quantidade de gases de efeito estufa liberados na atmosfera. Com mais financiamento e pesquisa, essa teoria pode se tornar uma realidade no futuro próximo.

Veja também

Tudo sobre o Instagram

O que é esse aplicativo moderno conhecido como Instagram, no qual todos os joven parecem …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *